quinta-feira, 22 de abril de 2010

Linha de Passe

Linha de Passe (Brasil, 2008) – Nota 8
Direção – Walter Salles & Daniela Thomas
Elenco – Sandra Corveloni, João Baldasserini, Vinicius de Oliveira, José Geraldo Rodrigues, Kaique Jesus Santos.

Este bom drama social conta a história de Cleuza (Sandra Corveloni) e seus quatro filhos. Viúva, morando em um bairro pobre da periferira de São Paulo e tendo de trabalhar como doméstica, precisa enfrentar além dos obstáculos do dia a dia, a falta de dinheiro, a difícil relação com os filhos e uma nova gravidez.

Cada filho também precisa enfrentar seus problemas e as dificuldades da vida em relação ao trabalho e aos relacionamentos. Denis (João Baldasserini) é motoboy, solteiro, mas tem uma filha que precisa ajudar a sustentar e como ganha pouco fica tentado a entrar para o crime. Dario (Vinicius de Oliveira, o garoto de “Central do Brasil”) tenta há muito tempo ser jogador de futebol, mas como acabou de completar dezoito anos, vê seu sonho cada vez mais distante. Dinho (José Geraldo Rodrigues) é o evangélico, que após uma adolescência difícil se entregou a religião e resolveu mudar o rumo de sua vida, tentando ser diferente do que realmente é. O filho mais novo é Reginaldo (Kaique Jesus Santos), único dos irmãos que tem a pele negra, sendo fruto de um relacionamento da mãe com um motorista de ônibus. Em virtude do silêncio da mãe sobre quem é seu pai, Reginaldo vive obcecado em encontrá-lo, com isso viaja de ônibus todos os dias na esperança reconhecer seu pai e ser aceito por ele.

Este emaranhado de pequenas histórias dentro da mesma família é conduzido com sensibilidade e realismo pela dupla Walter Salles/Daniela Thomas, que mostra com clareza a vida de uma família pobre e quase sem perspectivas de futuro numa metrópole como São Paulo. Todo o elenco está bem, mas na minha opinião a grande surpresa é o garoto Kaique Jesus Santos que consegue passar todo o sentimento de abandono, mesmo tendo uma família ele sente que não pertence a ela, além da obsessão em encontrar o pai.

3 comentários:

Amanda Aouad disse...

É um bom filme, mas não acho dos melhores de Walter Salles, ainda acho esquisito que todos estejam passando por algo importante ao mesmo tempo.

abraços

Roberto F. A. Simões disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hugo disse...

Amanda - Esta situação de todos os personagens estarem com algum problema importante ao mesmo tempo não passa muita veracidade, mas entendo que Walter Salles tentou dar a mesma importância a todos os irmãos e mãe também.

Abraço