terça-feira, 13 de abril de 2010

Velocidade Máxima




Velocidade Máxima (Speed, EUA, 1994) – Nota 8
Direção – Jan de Bont
Elenco – Keanu Reeves, Dennis Hopper, Sandra Bullock, Jeff Daniels, Joe Morton, Alan Ruck, Glenn Plummer, Richard Lineback, Beth Grant.

Um psicopata (Dennis Hopper) coloca uma bomba em um ônibus que circula por Los Angeles e avisa a polícia que se o veículo trafegar a menos de 80 km/h a bomba explodirá. O policial Jack Traven (Keanu Reeves) é encarregado do caso e consegue entrar no veículo em movimento, porém após uma uma confusão, o motorista acaba ferido e Jack coloca a passageira Annie (Sandra Bullock) para dirigir o ônibus em meio ao tráfego carregado da cidade e sem diminuir a velocidade.

A trama é original e dá margem a cenas de ação competentes pelas ruas e auto-estradas de Los Angeles, onde o personagem de Reeves precisa ao mesmo tempo manter o ônibus circulando e tentar desarmar a bomba. O longa é ótimo como filme de ação e deixava a impressão de que o diretor holandês Jan de Bont era um craque no gênero, o que acabou não se cumprindo. Ele fez ainda o ótimo “Twister” e os fracos “A Casa Amaldiçoada” e “Tomb Raider – A Origem da Vida”.

Velocidade Máxima 2 (Speed 2 – Cruise Control, EUA, 1997) – Nota 5,5
Direção – Jan de Bont
Elenco – Sandra Bullock, Jason Patric, Willem Dafoe, Temuera Morrison, Brian McCardie, Joe Morton, Glenn Plummer, Michael G. Hagerty, Colleen Camp, Lois Chiles, Enrique Murciano.

A atrapalhada Annie (Sandra Bullock) agora namora o policial Alex Shaw (Jason Patric). Depois de uma perseguição confusa que acabou em briga entre o casal, eles resolvem viajar em um cruzeiro para o Caribe com o intuito de melhorarem a relação. O que seria alegria se transforma em perigo quando um sujeito, John Geiger (Willem Dafoe totalmente canastrão), toma o controle do navio e ameaça afundar o transatlântico.

O que o longa original tinha de ação e emoção pelas auto-estradas de Los Angeles, aqui se torna exagerado na maioria das cenas, principalmente no final extremamente forçado, além do péssimo roteiro com diálogos ridículos. O resultado do longa deixou claro porque Keanu Reeves pulou fora do projeto e acredito que Sandra Bullock aceitou o papel apenas pelo cachê. Jason Patric até tenta segurar a trama nas cenas de ação, mas acaba sendo pouco para este longa desnecessário e equivocado.

6 comentários:

Silvia Freitas disse...

Adorei esse filme na primeira vez que o vi. Já o assisti nem sei quantas vezes. Acho-o legal.

Nekas disse...

O primeiro Speed é um bom filme de acção, o segundo, nem por isso!

Abraço
Cinema as my World

thicarvalho disse...

Concordo com praticamente tudo Hugo. Adoro Velocidade Máxima 1 e o dois achei tb completamente dispensável. Só discordo com relação a Casa Amaldiçoada, que acho sim um bom filme. Grande abraço.

www.cinemaniac2008.blogspot.com

Mateus, O Indolente disse...

Hugo, concordo com você: o primeiro é muito melhor que o segundo. Mas os dois estão muito bem em relação aos vilões: Dennis Hopper e Willen Dafoe.

Abraço.
Cinema para Desocupados

Hugo disse...

Silvia e Nekas - O primeiro filme é ótimo, mas é sequência é fraca.

Thiago - Achei "A Casa Amaldiçoada" um filme fraco.

Mateus - Apenas um detalhe, na sequeência Willem Dafoe faz um vilão bem exagerado.

Abraço a todos.

Cristiano Contreiras disse...

O primeiro foi um marco!